segunda-feira, 7 de maio de 2012

Primeiras impressões

Hoje foi meu primeiro dia de trabalho no Ministério dos Assuntos Econômicos do governo da Holanda. Como estagiário do departamento de Negócios Internacionais e trabalhando diretamente com as relações comerciais que o país europeu e suas empresas tem com o Brasil e suas próprias companhias, estou tendo uma oportunidade única. Estou conhecendo desde dentro o funcionamento de uma estrutura governamental altamente competente e qualificada.

Por razões muito evidentes, entre elas a própria falta de tempo, não posso publicar todos os detalhes do que faço no Ministério. Dar um breve relato esporádico sobre minhas impressões, porém, é algo que farei esporadicamente.

A primeira coisa que chamou-me a atenção assim que cheguei ao quarto andar do edifício do Ministério localizada na (impronunciável, quase) Bezuidenhoutseweg 20, em Haia, foi a ausência de lugares fixos. Cada funcionário chega de manhã e ocupa a mesa que quiser. Onde quiser. As exceções são só o próprio Ministro e os Secretários de Governo, que têm suas próprias salas. De resto, as mesas estão espalhadas pelos salões abertos do andar em que trabalho e posso escolher qualquer uma no início do dia. A vantagem, além de evitar o marasmo de estar sempre no mesmo lugar, é tornar obrigatória a limpeza das mesas no fim do dia: todo objeto pessoal ou documento, papel, memorando, post-it, enfim, que estiver no local de trabalho, precisa desaparecer da mesa utilizada antes de ir embora. 

Caso precise de salas de reuniões para conversas mais reservadas ou para atender a um telefonema, basta procurar uma de várias que não necessitam reserva antecipada. Simples assim.

Também foi muito interessante fazer com a minha chefe o tour por todos os setores do Ministério. Da América Latina à Rússia, dos Estados Unidos ao Sudeste Asiático, passando pela África e terminando na China, todas as regiões do mundo na lista de prioridades holandesas (e pareceu ser o mundo inteiro, de fato) tinham cada uma um responsável. Apesar de serem especialistas em suas áreas, logo percebi que todos trocam informações constantemente sobre o trabalho do departamento em geral e auxiliam-se mutuamente sempre que necessário. A reunião semanal realizada justamente em segundas-feiras com o diretor do departamento foi prova disso: mesmo eu, para todos os efeitos um mero estagiário em meio a mais de 30 pessoas ocupantes das mais diversas funções e alguns com décadas de casa, fui convidado a apresentar-me a todos dizendo de onde vinha e a que vinha.

E logo no primeiro dia, após ser apresentado a todos, já fui logo inteirado de duas missões empresariais que terei de ajudar a organizar: uma de empresas brasileiras que virão à Holanda em junho, e a outra a ida do Príncipe holandês com uma comitiva de mais de 100 empresários ao Brasil em novembro. Sobre esses assuntos abordarei certamente mais tarde em posts futuros. Registro porém aqui a minha enorme satisfação em ter iniciado esse período de estágio em um ambiente de trabalho muito promissor e extremamente convidativo. Um ambiente em que, em um dia só, além de ser convidado a conhecer boa parte de todo o departamento, pude já colocar a mão na massa em praticamente todas as áreas nas quais trabalharei no Ministério.

Ah, sim, é meia noite e meia agora. Acordarei logo mais às seis horas da manhã pois moro em Utrecht e o trabalho é em Haia - 40 minutos de trem, mais a baldeação de ônibus e um trechinho a pé. Quero estar lá, de novo, às 8h em ponto. O interessante, porém, é que o horário de trabalho sou eu quem faço: chegando às oito posso sair oito horas (mais a pausa de almoço) depois - tipo, pelas 17h. Não há cobrança para chegar às oito, ou às nove. Nem para sair às 17h ou às 18h. Cada um faz seu horário, assumindo a responsabilidade de ter trabalhado as horas constantes no contrato de trabalho. Serviço público com responsabilidade individual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário